Soft Skills – Descubra o que são, sua importância e como desenvolvê-las

soft-skills-o-que-e-min

Está sem tempo de ler agora? Que tal ouvir o artigo? Experimente dar o play abaixo ou fazer o download para ouvir offline:

O termo soft skills quer dizer, em português, habilidades interpessoais. São aquelas que se referem à relação entre as pessoas.

Para entender o papel delas na carreira e no ambiente profissional, é fundamental aprofundar os conhecimentos acerca do assunto.

Estas habilidades comportamentais são tão importantes para os profissionais quanto uma lista extensa de cursos e experiências.

Saiba mais sobre os tipos de liderança e como desenvolvê-las neste outro artigo do nosso blog.

Isso porque o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo.

Para facilitar na avaliação dos concorrentes, os empregadores estão considerando competências que não podem ser vistas no currículo.

Por conta disso, as soft skills ficam ainda mais em evidência e, consequentemente, quem as têm também.

O que o termo soft skills significa

Elas dizem respeito à personalidade e ao comportamento. Ou seja, capacidades mentais, emocionais e sociais que as pessoas adquirem ao longo da vida.

Estas características são conquistadas a partir de experiências pessoais, como contexto cultural e educação que recebeu da família.

Sendo assim, as soft skills podem ser desenvolvidas na infância ou mesmo durante a vida adulta.

Apesar de serem características que impactam na vida pessoal, o termo está cada dia mais comum no meio corporativo.

E, considerando que o mercado de trabalho muda constantemente, a busca por acompanhar as tendências se reflete na aquisição de habilidades.

Entre elas, criatividade, empatia e espírito empreendedor, conforme a pesquisa O Futuro do Trabalho. O levantamento foi feito pelo LinkedIn, em parceria com a empresa de previsão de tendências WGSN.

Diferença entre soft skills e hard skills

Se as soft skills dizem respeito às habilidades comportamentais, as hard skills são as habilidades técnicas.

Chamadas de hard skills, essas habilidades por muito tempo eram os únicos aspectos levados em consideração para avaliar um profissional.

Isso porque são competências que podem ser identificadas e comprovadas com mais facilidade do que as soft skills.

Com a apresentação de um diploma ou certificado de determinado curso, por exemplo.

Em comparação às soft skills, as hard skills são mais fáceis de serem aprendidas.

Em resumo, são conhecimentos técnicos de um profissional, que podem ser assimilados por meio de cursos de graduação ou técnicos.

As pessoas também podem ser instruídas em aulas de língua estrangeira ou mesmo treinamentos para operação de ferramentas e máquinas.

Por mais que as soft skills estejam em alta, o segredo é equilibrar as habilidades técnicas e interpessoais.

Quais são as habilidades mais desejadas pelas empresas?

Adaptabilidade

Popularizada como resiliência, a capacidade de adaptação é uma das habilidades imprescindíveis em todas as áreas. Desde sempre, o mundo sofre transformações. Inclusive, no que tange o ambiente profissional.

Por conta disso, trabalhadores de diferentes mercados são convocados diariamente para acompanhar as mudanças. Isso requer estar de olho nas novidades que surgem, mas principalmente preparado.

Neste sentido, está o papel da resiliência. A partir dela, os profissionais conseguem gerenciar crises, obstáculos e aproveitar oportunidades.

Também é por meio desta habilidade que se pode assumir o protagonismo na carreira. Ou seja, identificar o que precisa ser modificado para manter seu espaço no mercado.

Os recrutadores acreditam que com ela, os profissionais enfrentam qualquer situação adversa, seja dentro ou fora da empresa.

Criatividade

Frequentemente ligada à inovação e ao empreendedorismo, ela é capaz de resolver desde problemas até questões de competitividade no mercado.

Por esse motivo é que as empresas e os recrutadores valorizam tanto os criativos. Eles estão mais preparados, emocional e mentalmente, para solucionar desafios.

Como, por exemplo, desenvolver um projeto sustentável do zero, driblar uma crise ou mesmo inventar um produto, até então inexistente, mas que as pessoas não imaginam viver sem.

Ao contrário do que muitos pensam, a criatividade não nasce somente com algumas pessoas. Ela pode e deve ser desenvolvida ao longo da vida.

Espírito empreendedor

“Ser empreendedor significa ser um realizador, que produz novas ideias através da congruência entre criatividade e imaginação”, caracteriza o Sebrae.

Portanto, ser empreendedor não se restringe a tirar um negócio do papel ou ser chefe de si mesmo.

É uma habilidade que permite aos profissionais uma postura mais flexível, além de excelente capacidade para resolução de problemas. Sendo assim, pode-se dizer que “ser empreendedor é ter a ousadia de colocar suas ideias em práticas”.

Gestão de pessoas e negócios

Esta aptidão vai além de delegar funções, supervisionar tarefas e acompanhar resultados. A gestão de pessoas e negócios é uma habilidade que exige um olhar estratégico diante do público interno e externo.

Fazer a gestão requer, acima de tudo, senso de liderança. Isso exige uma combinação de outras habilidades para dar certo.

Inteligência emocional e empatia, entre outras características, são fundamentais para manter um relacionamento saudável com seus colaboradores.

Persuasão

A persuasão, ao contrário do que muitas pessoas interpretam, não é a imposição de ideias. É e a exposição clara e lógica de informações.

É uma capacidade importante tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. Saber argumentar ajuda durante entrevistas de emprego, a fim de que os candidatos consigam explorar melhor suas competências.

Também auxilia na apresentação de ideias, projetos ou mesmo em pedidos de aumento salarial. Mas ela consegue ser ainda mais ampla. É uma habilidade que facilita a comunicação com colegas, clientes e gestores.

Como desenvolver habilidades comportamentais

O primeiro passo é o autoconhecimento. Quando o profissional se conhece, é capaz de identificar características, defeitos, prazeres e insatisfações.

Nesta avaliação, as pessoas averiguam suas definições individuais de sucesso. Se para uns a felicidade está em altas remunerações, para outros pode ser a flexibilidade na carga horária de trabalho.

Portanto, se autoconhecer ajuda na definição dos objetivos a serem alcançados. Além disso, encontram-se os pontos fortes e fracos de cada indivíduo.

Sendo assim, os aspectos a serem melhorados pode ser o desenvolvimento de novas habilidades. Somado ao autoconhecimento está a necessidade de aprendizagem.

Pensando em atender essa demanda, instituições de ensino têm oferecido qualificações em que mais de uma habilidade pode ser desenvolvida.

O ensino de competências por áreas torna o profissional ainda mais capacitado para avançar na carreira. Tendo essa consciência, nasceu o projeto PUCRS Online, desenvolvido pela universidade que dá nome à iniciativa e pelo Uol edtech.

Conheça nossas 25 opções de cursos de pós-graduação e MBA online aqui.

Qual o papel da inteligência emocional nesse processo?

Mas existe alguma relação entre dar inteligência às emoções e o desenvolvimento de habilidades comportamentais? Para Daniel Goleman, considerado o pai da Inteligência Emocional, isso faz todo sentido.

Segundo ele, todas as habilidades comportamentais são baseadas na inteligência emocional, o que acaba diferenciando profissionais medianos dos excepcionais.

“À medida que as estruturas organizacionais evoluem e a globalização acelera, essas habilidades serão mais cruciais do que nunca”, explica.

Na visão de Goleman, estas são as soft skills que estão mais em alta no mercado:

  • Colaboração
  • Flexibilidade
  • Trabalhar sob pressão
  • Comunicação eficaz
  • Orientação para resultados
  • Liderança de equipe

Ainda, sugere três posturas que os profissionais precisam ter para desenvolverem a inteligência emocional.

Entre elas, está a autorregulação da mente e do corpo no dia a dia. “Encorajo fortemente um método emocional de autogerenciamento, como uma sessão diária de meditação”, recomenda.

Também defende que haja gerenciamento do tempo, a partir do estabelecimento do que é ou não prioritário na rotina.

Além disso, aposta na cultura do feedback, que quer dizer permitir que as pessoas avaliem suas habilidades interpessoais. Com isso, você poderá identificar os aspectos que ainda deve aprimorar.

Daniel Goleman é autor do livro ‘Inteligência Emocional’ e professor convidado dos nossos cursos de pós-graduação.

Transforme sua carreira no PUCRS Online

Antigamente, o que contava era o número de certificações, diplomas e experiências práticas. Hoje, isso tudo precisa estar amparado por aptidões comportamentais.

A partir disso, destacamos cinco competências fundamentais aos profissionais de sucesso. São elas: adaptabilidade, criatividade, espírito empreendedor, gestão de pessoas e negócios e persuasão.

Ainda, explicamos como a inteligência emocional – também uma soft skill – é imprescindível para desenvolver outras habilidades. Tudo isso tendo como base Daniel Goleman, uma referência na área da inteligência emocional.

Sendo assim, sem autoconhecimento e inteligência emocional fica difícil desenvolver competências em falta.

Por fim, apresentamos o portfólio de cursos de pós-graduação do PUCRS Online. O intuito é mostrar que é possível trabalhar habilidades em sala de aula mesmo depois de adulto.

Continue aprendendo, leia outros artigos:

Se ficou com alguma dúvida, deixe o seu comentário abaixo!

Comentários 0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *